Looking Behind the Walls

by | Mar 20, 2023 | Uncategorized | 0 comments

By Daphne Kirk, www.G2gMandate.org; Twitter: daphnekirk

We often think of the “poor” as having needs, but people with “plenty” are fine. We must think more broadly and with greater insight when approaching this topic.

I remember walking around London, looking at the expensive houses, and wondering what was going on behind those magnificent walls. Could there be loneliness, domestic violence, struggling mothers, or desperate teenagers isolated from peer friendships? I also wondered how we could gain access without causing offense or damaging their esteem. I did not come up with a neat answer. Should I dress differently to appear “more like them”? Should I drop a card through the door offering confidentiality if they wished me to call? Should I just “be me” and go knock? Honestly, I don’t know because I was passing through and would have no ongoing relationship BUT those moments made me think more broadly than I did before when I perceived “need” as based upon issues such as sickness and poverty.

During the pandemic, a Vicar in London went out on his “exercise hour,” played amazing grace from a loudspeaker, and said the Lord’s Prayer as he went through the London streets. People opened their windows—even the dying in hospitals. Those in prison heard and appreciated this simple act. Meeting needs behind walls can be done – be creative and bold and watch the response

People have walls too! Probably the most significant “need” is loneliness. It does not parade itself or often even have expression. Meeting that “need” is not a quick fix; it is time-consuming and draining, especially if the person is traumatized. Care groups can strategically work together to provide ongoing care, so one person does not “burn out” in the relationship. Meeting relational needs takes time –if not handled carefully, it can result in more hurt when the person feels another rejection. Managing expectations on both sides at the beginning can often prevent this.

Meeting these needs much wisdom and prayer before leaping in. Each is an individual strategy.

Korean blog (click here)

Portuguese blog:

Olhando Atrás das Paredes

Por Daphne Kirk, www.G2gMandate.org; Twitter: daphnekirk

Muitas vezes pensamos nos “pobres” como tendo necessidades, mas as pessoas com “bastante” estão bem. Devemos pensar de forma mais ampla e com maior perspicácia ao abordar este tema.

Lembro-me de andar por Londres, olhando para as casas caras e me perguntando o que estava acontecendo por trás daquelas paredes magníficas. Poderia haver solidão, violência doméstica, mães em dificuldades ou adolescentes desesperados isolados de amigos? Também me perguntei como poderíamos ter acesso sem ofender ou prejudicar sua estima. Eu não consegui uma resposta legal. Devo me vestir de maneira diferente para parecer “mais como eles”? Devo deixar um cartão na porta oferecendo confidencialidade se eles quiserem que eu ligue? Devo apenas “ser eu” e ir bater? Honestamente, não sei porque estava de passagem e não teria nenhum relacionamento contínuo, MAS esses momentos me fizeram pensar mais amplamente do que antes, quando percebi a “necessidade” com base em questões como doença e pobreza.

Durante a pandemia, um vigário em Londres saiu em sua “hora de exercício”, tocou maravilhosa graça em um alto-falante e rezou o Pai Nosso enquanto passava pelas ruas de Londres. As pessoas abriram suas janelas – até mesmo os moribundos nos hospitais. Os presos ouviram e apreciaram este simples ato. Atender às necessidades atrás das paredes pode ser feito – seja criativo e ousado e observe a resposta

As pessoas também têm paredes! Provavelmente a “necessidade” mais significativa é a solidão. Não se autopromove ou muitas vezes nem tem expressão. Atender a essa “necessidade” não é uma solução rápida; é demorado e desgastante, especialmente se a pessoa estiver traumatizada. Os grupos de cuidado podem trabalhar juntos estrategicamente para fornecer cuidados contínuos, de modo que uma pessoa não “se esgote” no relacionamento. Satisfazer as necessidades relacionais leva tempo – se não for tratado com cuidado, pode resultar em mais dor quando a pessoa sentir outra rejeição. Gerenciar as expectativas de ambos os lados no início geralmente pode evitar isso.

Atender a essas necessidades requer muita sabedoria e oração antes de começar. Cada uma delas é uma estratégia individual.

Spanish blog:

Mirando detrás de los muros

Por Daphne Kirk, www.G2gMandate.org; Twitter: daphnekirk

A menudo pensamos que los “pobres” tienen necesidades, pero las personas con “abundancia” están bien. Debemos pensar de forma más amplia y con mayor perspicacia al abordar este tema.

Recuerdo cuando paseaba por Londres, miraba las casas caras y me preguntaba qué pasaba detrás de esos magníficos muros. ¿Podría haber soledad, violencia doméstica, madres en apuros o adolescentes desesperados aislados de las amistades de sus compañeros? También me preguntaba cómo podríamos acceder sin ofenderles ni dañar su estima. No encontré una respuesta clara. ¿Debería vestirme de forma diferente para parecer “más como ellos”? ¿Debería dejar una tarjeta en la puerta ofreciéndoles confidencialidad si deseaban que les llamara? ¿Debería simplemente “ser yo” e ir a tocar su puerta ? Sinceramente, no lo sé porque estaba de paso y no iba a tener una relación continuada, PERO esos momentos me hicieron pensar de forma más amplia que antes, cuando percibía la “necesidad” como algo basado en cuestiones como la enfermedad y la pobreza.

Durante la pandemia, un vicario de Londres salió en su “hora de ejercicio”, tocó una gracia asombrosa desde un altavoz y oró el Padre Nuestro mientras atravesaba las calles londinenses. La gente abrió sus ventanas, incluso los moribundos en los hospitales. Los presos escucharon y apreciaron este sencillo acto. Es posible responder a las necesidades que hay detrás de los muros: sé creativo y audaz, y observa la respuesta.

La gente también tiene muros. Probablemente la “necesidad” más importante sea la soledad. No se manifiesta y a menudo ni siquiera se expresa. Satisfacer esa “necesidad” no es una solución rápida; lleva tiempo y es agotador, sobre todo si la persona está traumatizada. Los grupos de atención pueden colaborar estratégicamente para proporcionar una atención continuada, de modo que una persona no se “queme” en la relación. Satisfacer las necesidades relacionales lleva tiempo; si no se maneja con cuidado, puede resultar más doloroso cuando la persona siente otro rechazo. Gestionar las expectativas de ambas partes al principio puede evitarlo. 

Satisfacer estas necesidades requiere mucha sabiduría y oración antes de lanzarse. Cada una es una estrategia individual.

daphnekirk

daphnekirk

Archives