Following the Celtic Model of Hospitality

by | Feb 25, 2024 | Uncategorized | 1 comment

By Joel Comiskey, The Relational Disciple

In 2007, I went with my family to Ireland. My last name “Comiskey,” is of Irish descent, so we were eager to explore the area. By far, the greatest experience of the trip for me was seeing where Saint Patrick ministered and understanding the impact Patrick had on Ireland. I had several very spiritual experiences meditating on Patrick’s life and work.

In the fifth-century AD, when Patrick was about fourteen, he was captured by Irish raiders and taken as a slave to Ireland, where he lived for six years before escaping and returning to his family in England. God saved Patrick, chose him to become a church bishop, and then called him to go back to Ireland as a missionary. Patrick’s ministry was so effective that not only was most of Ireland converted, but God used the church in Ireland to send missionaries around the world.

Patrick’s model of reaching out to others was highly relational, hospitable, and community-oriented. Patrick and his followers would move into a pagan area, set up shop as a team, and become a part of the community. They tried to make the church accessible. They took seriously the passage in the book of Psalms that says, “Taste and see that the LORD is good; blessed is the man who takes refuge in him” (34:8). Patrick believed that the truth is first caught and then taught.

Outsiders naturally became part of the Celtic church. They were invited on a journey of discovery. Patrick and his team reasoned that as people experienced a Christian community, they would begin the conversion process. Patrick believed that belonging comes before believing. He and his fellow missionaries excelled in community outreach, having a place where the seeker could experience God and eventually participate in the church’s life.

Saint Patrick started a movement, and he did it by developing relationships with the people. Like the civilization in St. Patrick’s day, people today are hungry for relationships. They want to taste Christ in their midst and naturally grow in their relationship with Christ.

Today, people live amid information overload and can too easily tuck away the gospel information in one crevice and do nothing about it. Community must transform them.

The Triune God desires the lost to be saved and the lonely to have a community. For people to find community, they have to see community. As the disciples demonstrated unity among themselves, the world would recognize God’s supernatural work and believe that He was alive. Let’s follow the example of Saint Patrick as we open our homes to practice hospitality and show a believing world that Jesus is alive among his followers.

Korean blog (Click here)

Portuguese blog:

Seguindo O Modelo Celta de Hospitalidade
por Joel Comiskey, Discípulo Relacional

Em 2007, fui com minha família para a Irlanda. Meu sobrenome, “Comiskey”, é descendente de irlandeses, então estávamos ansiosos para explorar a área. De longe, a maior experiência da viagem para mim foi ver onde São Patrício ministrou e compreender o impacto que Patrício teve na Irlanda. Tive diversas experiências muito espirituais meditando sobre a vida e a obra de Patrick.

No século V dC, quando  Patrício tinha cerca de quatorze anos, foi capturado por invasores irlandeses e levado como escravo para a Irlanda, onde viveu durante seis anos antes de escapar e retornar para sua família na Inglaterra. Deus salvou  Patrício , escolheu-o para se tornar bispo da igreja e depois chamou-o para voltar para a Irlanda como missionário. O ministério de Patrício foi tão eficaz que não só a maior parte da Irlanda se converteu, mas Deus usou a igreja na Irlanda para enviar missionários ao redor do mundo.

O modelo de  Patrício de chegar aos outros era altamente relacional, hospitaleiro e orientado para a comunidade.  Patrício e seus seguidores se mudariam para uma área pagã, montariam uma loja como uma equipe e se tornariam parte da comunidade. Eles tentaram tornar a igreja acessível. Eles levaram a sério a passagem do livro dos Salmos que diz: “Provai e vede que o Senhor é bom; bem-aventurado o homem que nele confia” (34:8).  Patrício acreditava que a verdade primeiro é captada e depois ensinada.

Os estrangeiros naturalmente tornaram-se parte da igreja celta. Eles foram convidados para uma jornada de descoberta.  Patrício e sua equipe raciocinaram que à medida que as pessoas vivenciassem uma comunidade cristã, elas iniciariam o processo de conversão.  Patrício acreditava que pertencer vem antes de acreditar. Ele e seus colegas missionários se destacaram no alcance comunitário, tendo um lugar onde quem buscava poderia experimentar Deus e eventualmente participar da vida da igreja.

São Patrício iniciou um movimento e o fez desenvolvendo relacionamentos com as pessoas. Assim como a civilização da época de São Patrício, as pessoas hoje têm fome de relacionamentos. Eles querem provar Cristo no meio deles e crescer naturalmente no relacionamento com Cristo.

Hoje, as pessoas vivem em meio a uma sobrecarga de informações e podem facilmente guardar as informações do evangelho em uma fenda e não fazer nada a respeito. A comunidade deve transformá-los.

O Deus Triúno deseja que os perdidos sejam salvos e que os solitários tenham uma comunidade. Para que as pessoas encontrem a comunidade, elas precisam ver a comunidade. À medida que os discípulos demonstrassem unidade entre si, o mundo reconheceria a obra sobrenatural de Deus e acreditaria que Ele estava vivo.

Vamos seguir o exemplo de São Patrício ao abrirmos as nossas casas para praticar a hospitalidade e mostrar ao mundo crente que Jesus está vivo entre os seus seguidores.

Spanish blog:

Siguiendo el Modelo Celta de la Hospitalidad
Por Joel Comiskey, El discípulo relacional

En 2007, fui con mi familia a Irlanda. Mi apellido, “Comiskey”, es de ascendencia irlandesa, así que estábamos ansiosos por explorar la zona. Para mí, la mejor experiencia del viaje fue ver el lugar donde San Patricio ejerció su ministerio y comprender el impacto que tuvo en Irlanda. Tuve varias experiencias muy espirituales meditando sobre la vida y la obra de Patricio.

En el siglo V d.C., cuando Patricio tenía unos catorce años, fue capturado por asaltantes irlandeses y llevado como esclavo a Irlanda, donde vivió seis años antes de escapar y regresar con su familia a Inglaterra. Dios salvó a Patricio, lo eligió para convertirse en obispo de la Iglesia y luego lo llamó para que regresara a Irlanda como misionero. El ministerio de Patricio fue tan eficaz que no sólo se convirtió la mayor parte de Irlanda, sino que Dios utilizó a la iglesia irlandesa para enviar misioneros a todo el mundo.

El modelo de Patricio para llegar a los demás era muy relacional, hospitalario y orientado a la comunidad. Patricio y sus seguidores se trasladaban a una zona pagana, se establecían como equipo y se convertían en parte de la comunidad. Intentaban que la Iglesia fuera accesible. Se tomaron en serio el pasaje del libro de los Salmos que dice: “Gustad y ved que Jehova es bueno; dichoso el hombre que se refugia en él” (34:8). Patricio creía que la verdad primero se capta y luego se enseña.

De forma natural, los forasteros pasaron a formar parte de la Iglesia celta. Se les invitaba a un viaje de descubrimiento. Patricio y su equipo razonaban que, a medida que la gente experimentara una comunidad cristiana, iniciaría el proceso de conversión. Patricio creía que pertenecer es anterior a creer. Él y sus compañeros misioneros sobresalieron en la difusión comunitaria, al tener un lugar donde el buscador podía experimentar a Dios y, con el tiempo, participar en la vida de la iglesia.

San Patricio inició un movimiento, y lo hizo desarrollando relaciones con la gente. Como la civilización en tiempos de San Patricio, la gente de hoy tiene hambre de relaciones. Quieren saborear a Cristo en medio de ellos y crecer naturalmente en su relación con Cristo.

Hoy en día, la gente vive en medio de una sobrecarga de información y con demasiada facilidad puede esconder la información del Evangelio en una grieta y no hacer nada al respecto. La comunidad debe transformarlos.

El Dios Trino desea que los perdidos se salven y que los solitarios tengan una comunidad. Para que las personas encuentren comunidad, tienen que ver comunidad. Cuando los discípulos demostraran unidad entre ellos, el mundo reconocería la obra sobrenatural de Dios y creería que estaba vivo.

Sigamos el ejemplo de San Patricio abriendo nuestras casas para practicar la hospitalidad y mostrar a un mundo creyente que Jesús está vivo entre sus seguidores.

joelcomiskeyadmin

joelcomiskeyadmin

Archives