All Hands on Deck

by | Jul 3, 2024 | Uncategorized | 0 comments

by Aaron Lemuel De La Torre,  Iglesia Bautista de la Comunidad in Hidalgo, Texas, www.comunidadiglesia.com

The ultimate goal of a cell church should be to make disciples. Transitioning to a cell group can be a challenge, as many leaders have experienced. One of the main challenges is getting buy-in from the members who were used to being part of a traditional church. Programs have been and continue to be a central part of traditional churches. Gatherings and events continue to be a focus of many leaders of various ministries.

In Joel Comiskey’s book titled The Church that Multiplies: Growing a Healthy Cell Church in North America, he states, “Making cells the base of the church means not allowing other programs to dominate the church schedule. Although many cell churches have other ministries, they do ask the people involved in those additional ministries to participate actively in the cells. In this way, cells remain the base of the church.” Therefore, all members and leaders must be aware that buy-in to the cells is a requirement in a cell church.

When a cell church focuses on the health of cells, the result is multiplication and increased church membership. Each member needs to be part of a cell group to allow them to develop the gift God imparted to them. The place for believers to put their gifts to use is the cell; however, they can also use their gifts in a particular ministry. Leaders must make it clear that the church is a cell church, which means that the primary focus is on the health and growth of the cell groups rather than on participating in a “ministry.” If each member focuses on using their gift within the cell group to help each other grow spiritually and witness to others, the result will be disciple-making.

Korean blog (Click here)

Portuguese blog:

Todos na mesma direção

Aaron Lemuel De La Torre,  Iglesia Bautista de la Comunidad na cidade de Hidalgo, estado americano do Texas, www.comunidadiglesia.com

O objetivo fundamental da Igreja em células deve ser fazer discípulos. A transição para as células pode ser um verdadeiro desafio, como muitos líderes já experimentaram. Um dos principais desafios é obter o apoio dos membros que estavam acostumados a fazer parte de uma igreja tradicional. Os programas tem sido e continuam a ser uma parte central das igrejas tradicionais. Os encontros e eventos continuam a ser o foco de muitos líderes de diversos ministérios.

Em seu livro “A Igreja que se multiplica: O crescimento de uma Igreja Saudável na América do Norte”, o autor Joel Comiskey escreve: “Fazer das células a base da igreja significa não permitir que outros programas dominem o calendário da Igreja. Apesar do fato de que muitas igrejas em células têm outros ministérios, elas demandam que as pessoas envolvidas nestes outros ministérios participem ativamente nas células. Desta maneira, as células continuam sendo a base da igreja.” Portanto, todos os membros e líderes devem estar cientes de que o apoio às células é um requisito da Igreja em células.

Quando uma igreja em células mantém seu foco na saúde das células, o resultado é a multiplicação e o crescimento da membresia da igreja. Cada membro precisa fazer parte de uma célula e permitir assim que sejam desenvolvidos seus dons recebidos de Deus. A célula é o local onde os membros devem desenvolver seus dons. Entretanto, eles também podem utilizar seus dons em um ministério específico. Os líderes devem deixar claro que a igreja é uma igreja em células, e isso significa que foco principal será a saúde e o crescimento das células, ao invés da participação em um outro “ministério”. Se cada membro mantiver o foco na utilização de seus dons para que o outro cresça espiritualmente e seja uma testemunha, o resultado será a formação de novos discípulos.  

Spanish blog:

Todas las Manos a la Obra
por Aaron Lemuel De La Torre, Iglesia Bautista de la Comunidad en Hidalgo, Texas, www.comunidadiglesia.com

La meta final de una iglesia celular debe ser hacer discípulos. La transición a un grupo celular puede ser un reto, como muchos líderes han experimentado. Uno de los principales desafíos es conseguir la aceptación de los miembros que estaban acostumbrados a formar parte de una iglesia tradicional. Los programas han sido y siguen siendo una parte central de las iglesias tradicionales. Las reuniones y los eventos siguen siendo el centro de atención de muchos líderes de diversos ministerios.

En el libro de Joel Comiskey titulado La Iglesia que se Multiplica: Haciendo Crecer a una Iglesia Celular Saludable en Norte America, Joel Comiskey afirma: “Hacer de las células la base de la iglesia significa no permitir que otros programas dominen el horario de la iglesia”. Aunque muchas iglesias celulares tienen otros ministerios, piden a las personas involucradas en esos ministerios adicionales que participen activamente en las células. De esta manera, las células siguen siendo la base de la iglesia”. Por lo tanto, todos los miembros y líderes deben ser conscientes de que la participación en las células es un requisito en una iglesia celular.

Cuando una iglesia celular se enfoca en la salud de las células, el resultado es la multiplicación y el aumento de miembros en la iglesia. Cada miembro necesita ser parte de un grupo celular que le permita desarrollar el don que Dios le ha impartido. El lugar para que los creyentes pongan en uso sus dones es la célula; sin embargo, también pueden usar sus dones en un ministerio en particular. Los líderes deben dejar claro que la iglesia es una iglesia celular, lo que significa que el enfoque principal es la salud y el crecimiento de los grupos celulares en lugar de participar en un “ministerio.” Si cada miembro se enfoca en usar su don dentro del grupo celular para ayudarse mutuamente a crecer espiritualmente y testificar a otros, el resultado será la formación de discípulos.

Aaron Lemuel De la Torre

Aaron Lemuel De la Torre

Archives